O HAP KI DO, é uma arte dinâmica, feita a medida para o tipo de corpo, capacidade e situações de combate de cada um .É difícil para um instrutor ensinar igualmente todos os aspectos da Arte. Por exemplo, quanto estive na Coréia observei que as técnicas de força eram melhor ensinadas por instrutores grandes. As técnicas sutis eram melhor ensinadas por instrutores menores. Por causa disto se faz necessário estes dois lados do treino, o suave e sutis (técnicos) e o duro e forte ( enérgico).

As técnicas, podem ser rearranjadas à adequar-se para diferentes biotipos, faixa etária e objetivos. Como professor, reformulo sempre que se faz necessário, as técnicas de defesa pessoal, conforme a situação solicita. Há muitas situações destas técnicas, baseadas nas múltiplas maneiras diferentes, pelas quais a sua execução pode ser ajustada. Por exemplo, uma chave ou torção de pulso pode ser normalmente executada com um giro para o lado, porém as circunstâncias da situação podem requerer um passo adiante ou um passo atrás em vez do giro. Os muitos e muitos ajustes e recursos possíveis, das técnicas nos dão a ter um verdadeiro arsenal, de milhares de técnicas.

Em qualquer situação o HAP KI DO é uma Arte completa e complexa que requer a instrução de um professor qualificado.

Texto: Mestre José Carlos da Silva

A HISTÓRIA DO HAP KI DO
Lamentavelmente, não há registro detalhado do desenvolvimento do HAP KI DO através dos anos, devido a um manto de segredos colocado sobre ele para que as arte marciais coreanas pudessem sobreviver a anos de ocupação por exércitos estrangeiros. Somente após a Segunda guerra mundial a sua instrução ficou disponível para o homem comum. Até então somente monges budistas selecionados, e antes deste século, os membros da nobreza, tinham permissão para aprenderem suas técnicas mortais.

Hoje, o HAP KI DO, consegue seu merecido espaço em todo o mundo.

Seus primeiros aperfeiçoamentos datam de 1800 anos atrás, durante a dinastia Silla. Foi durante este período que foi formado um grupo pelo governante Chin Hun. Esta organização era conhecida como Hwa-Hang-Do, literalmente traduzido por “O caminho da flor da juventude”. Esta organização equiparava-se ao cavalheirismo europeu na sua estrutura e filosofia. Era composto por jovens de famílias nobres que dedicavam a sua fidelidade ao sistema. Eram protetores dos oprimidos e defensores das artes marciais e intelectuais. As técnicas de luta que eles desenvolveram, ainda que sem nome, foram o primeiro estudo organizado de artes marciais na Coréia de que se tem evidencia. Ainda encontram-se várias formas deste sistema de luta em paredes de pedra e túmulos que datam da dinastia Silla.

Como classe, o Hwa-Hang- Do dissipou-se num insignificante grupo de janotas . O estudo da luta desapareceu lentamente da sociedade nobre principal, mas foi mantida viva, em mosteiro isolados. Foi durante este período que houve intercâmbios de idéias entre monges budistas coreanos e monges chineses. A influencia chinesa é evidente nos bloqueios circulares do Hap Ki Do, nos seus chutes baixos giratórios e na sua grande ênfase nos aspectos mentais de concentração e controle. Durante este período esta arte de luta em evolução ganhou o nome de Tae Kyun.

Quando os japoneses invadiram a Coréia em 1910, baniram as Artes Marciais Coreanas. Só permitiam o estudo das artes japonesas do Judo e do Kendo. O tae Kyun só podia ser estudado em segredo, em remotos mosteiros nas montanhas.

Foi logo após o início da ocupação Japonesa que Choi Yong Suhl, o criador do Hap Ki Do moderno, emigrou ao Japão . Tendo dominado o Tae Kyun já na sua juventude, o mestre Choi estudou um sistema Japonês chamado Daito Ryu ou Dai Ju-Jutsu. Diz-se que este sistema de Ju-Jutsu é o precursor do Judo e do Aikido. O mestre Choi retornou à Coréia após o fim da Segunda guerra mundial em 1945 e fundou a primeira escola de Hap Ki Do em Taegu, Coréia. O Hap Ki Do era uma amálgama do Tae Kyun de influencia chinesa com o Ju-Jutsu japonês. Isto fez dela uma das primeiras artes verdadeiramente integrada que reconheceu a eficácia de combinar os aspectos de ambos os estilos, o “duro” e o “suave” , em combinações mito poderosas em técnicas e teorias.

O mestre Choi adquiriu alguns discípulos devotados e passou muito tempo polindo o seu sistema até se tornar num meio de defesa altamente eficaz, especialmente destinado à rua ou ao campo de batalha.

O seu treinamento era desafiador. Muitos dos seus alunos contam historias de como tiveram que cavar um grande buraco no chão. Periodicamente paravam a escavação para pular para fora do buraco sem usarem as mãos. Quando o tinham, cavado até o mais profundo que eram capazes de pular, começavam a enche-lo novamente e continuavam pulando para fora e de volta para dentro até que o buraco estivesse novamente cheio por completo.

Finalmente o Mestre Choi e o seu principal aluno, Ji Han Jae, trouxeram o Hap Ki Do para Seul para ensina-lo ao público pela primeira vez. Finalmente o Mestre Choi recolheu-se novamente na cidade de Taegu e morreu em 1987. Durante o retiro de Choi, a obra da sua vida foi continuada pelo Mestre nono Dan Ji Han Jae em Seul, como presidente da ASSOCIAÇÃO COREANA DE HAP KI DO. Pelo menos outras duas organizações de Hap Ki Do foram começadas por outros discípulos de Choi, uma e Seul e uma Taegu, porém Ji é o único que prosperou. Ficou bem relacionado politicamente trabalhando na presidência, na Casa Azul, como treinador chefe de Artes Marciais dos 300 guarda-costas do serviço secreto do Presidente Park Chung Hee. Quando não estava ocupado na Casa Azul, Ji supervisionava as operações s diárias do ginásio principal da Associação Coreana de Hap Ki Do no bairro Seodaemun em Seul. Após a morte do Presidente Park, Ji emigrou ao Estados Unidos e estabeleceu uma escola de Hap Ki Do em San Francisco.

A FILOSOFIA E A UTILIZAÇÃO DO HAPKI DO

O termo coreano Hap Ki do é combinação de três palavras: “HAP” que significa harmonia ou coordenação; “KI” que significa poder ,ou mais literalmente, força cósmica; e “DO” que significa o caminho ou a Arte de. Em resumo, Hap Ki Do significa a Arte de coordenação de poder.

Esta coordenação de poder manifesta-se de duas maneiras: a primeira e mais importante é a harmonia entre a mente e o corpo. Para ser capaz de funcionar com a maior eficiência numa situação de combate, tem que se ter controle total, tanto da mente como do corpo. A gente deveria usar o corpo como uma extensão das nossas diretrizes mentais.

O segundo conceito da harmonia trata da coordenação de um ataque ou defesa. Ambos conceitos são essenciais para uma boa auto defesa. Pode ser que uma pessoa saiba defender-se de uma ataque de faca, mas se ele permitir que o medo excessivo afete os seus movimentos físicos de tal maneira de ficar desajeitado, apressado, ou até pior, paralisado, então todo o seu conhecimento será em vão. Da mesma maneira uma pessoa pode ser totalmente calma, com controle total de suas emoções e corpo; porém se não souber como usar os movimentos e a força do seu oponente, estará em desvantagem.

Os coreanos descrevem esta harmonia ou coordenação der poder à um nível mais profundo, mais filosófico. Por terem uma grande influencia tanto do Budismo quanto do Taoismo, eles sentem que o Hap Ki Do é uma maneira de tornar-se um com a natureza. Este é um conceito central nestas duas influencias chinesas.

Embora o Hap Ki Do seja essencialmente defensivo na sua natureza, pode ser muito ofensivo se surgir a necessidade. Muitas das suas técnicas baseiam-se no ataque de um oponente. Uma vez que o ataque foi anulado simultaneamente lança-se um contra ataque devastador.

Algumas pessoas tentam comparar o Hap Ki Do diretamente ao Aikido Japonês, que usa técnicas similares de torção de juntas e arremessos. Uma razão para esta comparação é que o Caractere Kanji (ideograma) Japonês para o Aikido é o mesmo usado para o Coreano e tem a mesma tradução em inglês : a arte da coordenação de poder/harmonia.

Na realidade o Hap Ki Do continua para um ponto alem do alcançado pelo Aikido na sua filosofia de auto defesa. De acordo com Yoshitsu Yamada no seu livro “Complete Aikido , o Aikidoista aplicará somente técnicas defensivas, anulando ataque após ataque até o agressor ficar completamente confuso e frustrado desiste.

O Hap Ki Do não somente vai ao encontra do ataque, senão o volta contra seu oponente e completa com métodos ofensivos que podem controlar a sua violência ou podem torna-lo incapaz de viver, muito menos ser capaz de quaisquer outras ações antagônicas.

O elemento do autocontrole é muito importante em situações que requerem autodefesa. Por exemplo, uma pessoa reagiria de maneira diferente a um amigo bêbado durante uma festa do que o faria com um assaltante numa rua escura. No primeiro exemplo, ele pode querer constranger o seu amigo para ninguém sair ferido. No segundo, ele pode estar lutando pela sua vida, e portanto, ele pode achar necessário matar ou ser morto. O Hap Ki Do ensina técnicas de muitos níveis diferentes de rigor. Também ensina quando usa-las.

As técnicas básicas do Hap Ki Do consistem em chutes, socos, arremessos e chaves que quebram juntas, bloqueios suaves e duros, ataques de pressão sobre nervos e músculos, destrezas de auto defesa com armas comuns como a bengala e o bastão de 12 polegadas.

O elemento mais importante do Hap Ki Do é um dos mais difíceis de desenvolver, é o poder da mente. A base para o poder mental é o KI . KI é um conceito oriental do poder da natureza em volta de nós.

Diz-se que todas as coisas viventes possuem KI em intensidade variável. Talvez pudesse-se dizer que as plantas expressem KI quando emitem reações mensuráveis às emoções humanas dirigidas a elas em testes científicos.

Os artistas marciais dizem que pode-se penetrar nesta essência de força em volta de nós e usá-la como se foce a nossa própria. Eles citam exemplos de força histérica e façanhas semelhantes de força e velocidade sobre humana como prova disto.

Quer o corpo execute por curto período de tempo façanhas além de suas capacidades normais por causa da ajuda de uma forca natural externa ou porque bloqueios mentais semelhantes a reguladores foram temporariamente removidos, não é tão importante quanto o fato de que o corpo humano é capaz de façanhas sobre naturais. Esta habilidade pode ser desenvolvida de maneira consciente. O ideal a ser perseguido é a habilidade de entender o poder de KI , aprender a obter resultados dele, e usa-lo a vontade.

Três conceitos do Hap Ki Do podem ser usados como ferramentas como controle completo do KI.

1º – Mente-como-a-agua é um conceito vital para muitas Artes Marciais. A mente mais eficaz, especialmente numa situação de combate, é aquela totalmente livre de emoções, livre para centrar a sua atenção na tarefa que tem em mãos. Idealmente, a mente deveria ser como uma lagoa de água plácida, serena, em descanso. Permita que uma emoção violenta, descontrolada, entre na mente e é como se uma rocha tivesse sido jogada dentro da lagoa quieta.

Toda a superfície fica agitada e como resultado a concentração estará perdida. Sem concentração total, o KI não pode ser coordenado ou focalizado.

Quando se perde a concentração também perde-se a iniciativa. Se a vida e o bem estar estão em perigo, não se deve permitir que a raiva ou o medo perturbem a concentração. As pessoas que aprendem a fazer isto tornam-se maquinas de lutar, não sentindo medo ou dor até o combate terminar. São capazes de ouvirem e verem mais, movem-se mais rápida e vigorosamente, e percebem a realidade como um filme em câmara lenta.

2º – Somente se você desenvolver uma mente-como-a-agua, poderá desenvolver a Segunda habilidade chamada mente-como-a-lua (os Aikidoista chamam “olhos suave”). Este conceito enfatiza a percepção total em todas as direções. A lua banha a paisagem como luz serena, onisciente. KI estende a nossa percepção em todas as direções, que só aprendemos a reconhecer quando conhecemos os seus sinais.

Um exercício que fazemos na nossa aula é um exercício para sentir KI com os olhos fechados.

Ensina-se os alunos a sentirem uma aura ao redor deles que alguns descrevem como uma sensação de eletricidade estática.

Quando uma pessoa ou objeto chega perto demais desta aura, sente-se uma perturbação.

Naturalmente, requer-se um alto grau de concentração para aprender isto, mais a ajuda de instrutor experiente que não somente saiba como faze-lo mas também saiba como guiar os estudantes a perceberem que a capacidade está dentro deles.

Com a mente-como-a-lua, pode-se ter uma oportunidade melhor de sentir o perigo, ameaças e as oportunidades no combate.

3º – Uma característica marcante do Hap Ki Do e do Aikido, é o conceito da mão-viva . Abra a mão o máximo possível. Repare como o pulso e o antebraço ficam firmes. Os Hapkidoistas acreditam que esta mão aberta concentra KI do ar, que por sua vez flui pelo braço e peito até o Danjon. Esta é uma região de aproximadamente três polegadas(7,5 cm) de diâmetro centrada logo abaixo do umbigo. Para os Coreanos o Danjon é o centro espiritual do poder no corpo. Eles acreditam que, dado o fato de que este é o lugar pelo qual o alimento e o poder entram no corpo de um bebê não nascido, o mesmo deveria aplicar-se a um adulto. Aspectos espirituais aparte, a área do Danjon é o centro de poder também num sentido físico.

O centro de gravidade fica nesta região e também é o lugar onde os principais grupos de músculos do corpo se interligam direta ou diretamente. Penetrar no KI com a mão-viva e vertê-lo no Danjon assegurará que este poder seja usado por todo o corpo de maneira coordenada.

Prove a si mesmo a surpreendente força de mão-viva. Mantenha um braço esticado à sua frente, fazendo um punho com a área do polegar para cima e do mindinho para baixo. Peça a um amigo que puxe o seu braço para baixa com uma mão e o seu punho para cima coma outra, tentando flexionar o seu braço enquanto você resiste e tenta mante-lo reto. Exceto se forem excepcionalmente fortes, a maioria das pessoas tem o seu braço flexionado. Agora repita a operação, só que em vez de formar um punho, desta vez deixe a sua mão completamente aberta e imagine o Ki fluindo por ela. Você verá que, contanto que você se concentre no fluxo do Ki, seu braço não poderá ser flexionado.

As técnicas do Hap Ki Do baseiam-se em duas principais teorias dinâmicas:

1º. A teoria do giro (rotação ou redirecionamento da força )
2º. A teoria da união e um passo (uso da força do oponente em conjunto com sua própria)

A teoria do giro implica em movimento circular e é neste sentido que o Hap Ki Do é uma Arte “suave”. em vez de ir de encontro de um golpe de frente, o Hap Ki Do ensina que o golpe deve ser redirecionado para uma direção menos prejudicial ao defensor. Isto se faz mudando um golpe em linha reta para um movimento mais arredondado ou circular ao redor ou após o alvo pretendido. A teoria do giro também se aplica para arremessos e para aqueles chutes e ataques do Hap Ki Do que se baseiam na força centrífuga.
A teoria da união e um passo se refere a tomar vantagem da força do oponente e acrescentar a própria força à contraria em detrimento do oponente. Por exemplo, um atacante joga um cruzado de direita no seu rosto. Dando um um passo rápido para a sua esquerda ( ou a direita dele), empurre o cotovelo direito dele levemente para o centro(teoria do giro) fazendo com que ele erre o seu objetivo (o seu rosto). Nesse ínterim ele continuará a mover-se para frente sob o ímpeto do seu ataque. Se você continuar apos o seu primeiro movimento defensivo(um passo) e contra atacar com um golpe no rosto dele enquanto ele ainda está se movendo para a frente, você unirá a força dele à sua própria e a soma total das duas forças culminará no momento em que este conceito é aplicado em numerosos contra ataques.

Teoria da Água

A estratégia de luta desenvolvida pelo Mestre Ji Han Jae é conhecida como teoria da água. Consiste em três aspectos. O primeiro baseia-se no conceito de que a água exerce pressão constante sobre tudo o que está em contato com ela. O Hapkidoista aprende a exercer pressão constante sobre seu oponente usando combinações, movimento e distanciamento . Por esta razão o Hap Ki Do é excelente para a luta de dentro para fora. Quando enfrentar um oponente, você pode mover-se para dentro de um ataque, criando assim pressão sobre o seu agressor. Aumentando o ritmo de luta neste instante, você pode levar vantagem rapidamente sobre a vulnerabilidade temporária dele, manipulando os movimentos dele com o seu próprio ataque. O Hapkidoista aplica pressão constante sobre o seu oponente. Ele sempre empenha-se em antecipar as opções de ataque do seu oponente e então as limita pelo movimento. O oponente é controlado e manipulado com as mudanças de posição, distancia e ritmo da luta do Hapkidoista.

O segundo aspecto da teoria da água é que a água sempre tem alguma influencia sobre tudo com que está em contato. Deixa as coisas molhadas ou as gastas. Se uma pessoa quer nadar (lutar), tem que molhar-se (aceitar as conseqüências). O Hapkidoista aprende a fazer com que o ataque de um agressor saia tão caro que ele pensará várias vezes antes de tentar novamente. Normalmente pensamos de maneira defensiva nas Artes Marciais, ou seja, neutralizar o ataque e só depois contra – atacar.

O Hap Ki Do, por outra parte, também, tenta causar dor ou machucar enquanto bloqueia, de maneira a neutralizar e contrariar o ataque simultaneamente. O método básico pelo qual se faz isto é bloqueando em pontos de pressão dolorosa. Bloqueando em um ponto de pressão em quem está atacando, você pode descontinuar o ataque, criar uma abertura e ou tornar o membro do atacante inútil. Estes pontos serão descritos mais adiante.

O terceiro aspecto da teoria da água está relacionada com o peso e “momentum” da água. Se surgir um pequeno vazamento em um submarino, a pressão da água a sua volta forçará a água para o pequeno buraco com tanta pressão que o buraco ficará cada vez maior. Da mesma maneira, o Hapkidoista procura uma abertura, a ataca e dá continuidade com técnicas mais fortes e eficientes. É como jogo de xadrez, onde a gente pensa vários movimentos à frente. Cada técnica cria outras aberturas que, por sua vez, convidam à outras técnicas. Deste aspecto vem a idéia de fluxo de combate.

A constante ênfase no sentir e em tirar de tirar vantagem do fluxo de combate requer uma maneira de treino diferente da tradicional, simples memorização de formas das Artes Marciais.

O Poonse, (Kata) e outras formas não levam em consideração que os ataques e contra-ataques variam nos seus ângulos, ritmo e intensidade. Um bloqueio ascendente, por exemplo, pode não ser sempre efetivo contra um ataque por cima da cabeça. Se o ataque for forte demais, você pode ter que mudar de um bloqueio descendente para um bloqueio defletivo para o lado numa mistura de técnicas. Não há maneira em que as formas possam ensinar este ajuste ao fluxo do combate. Uma metodologia que funciona é :

A) ensinar numerosas opções de técnicas, B) conversar sobre seqüências coreografadas de luta em câmera lenta, C) fazer com dois alunos façam cada um seus ataques e contra-ataques em câmera lenta até serem capazes de manter um fluxo constante de técnicas sem hesitação, e D) ir aumentando gradativamente até todas as técnicas funcionarem em velocidade total porem continuando sobre controle para prevenir lesões.

O conhecimento das forças, fraquezas, e capacidades do corpo humano, é essencial ao Hap Ki Do. Precisa-se de uma firme base de conhecimento dos alvos vulneráveis para que o defensor posso levar o seu atacante sob controle da maneira mais rápida. Um ponto vital é qualquer do corpo vulneráveis ao ataque.

Agradecemos a colaboração de Carlos Eduardo de Miranda Guedes, professor de Hap Ki Do e do Mestre José Carlos da Silva , que ao encontrarem o nosso site manifestaram o seu interesse em divulgar esta nobre arte marcial coreana.

LIVAJJ

A Liga Valeparaibana de Jiu-Jitsu foi fundada em 27 de janeiro de 2000 na cidade de Guaratinguetá/SP, com o propósito de criar uma organização que administrasse o esporte em todo o Vale do Paraíba, Litoral Norte Paulista, Região Bragantina e Sul de Minas Gerais, proporcionando aos seus associados um calendáriao anual de competições, seminários técnicos, cursos e assistência técnica aos seus filiados.

Faça um comentário